quinta-feira, 31 de março de 2011

Acerca da críse

Assim sendo, parece que, a cinco de Junho lá vamos nós novamente a eleições. Até lá, teremos que aturar novamente a torrente de propaganda política e de promessas descabidas que inundam os meios de comunicação.
Sofrível...
Isto faz-me recordar uma história de uma antigo politico que, ao saber-se membro do governo, telefonou alegremente para casa: "Pai, já sou ministro!" Muitos divertem-se com o facto. Eu, pelo contrário, fico mais sério que uma mortalha. Provavelmente, porque faria o mesmo, embora dispensando a alegria e optando antes pelo choro prolongado.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Le Menú si vous plait

Adoro o novo modo de escrever menus. Os bifes deixaram de se chamar bifes para se chamarem “tenros nacos de carne cortados finos da mais tenra carne de porco preto que pasta na planície alentejana alimentado a bolota”.

Adoro estas tretas. Mas adoro ainda mais ver mulheres a escolher a comida.

Entro no restaurante. Consulto o menu. Janto, como a sobremesa, bebo o café, peço a conta, pago e adormeço. Acordo, volto a adormecer sobre a mesa… e na mesa ao lado a rapariga que chegou ao mesmo tempo que eu continua paulatinamente a ler o menu. Imperturbável. Por que motivo levam as mulheres décadas a escolherem um prato? É peixe ou carne. Cinco segundos de inclinação imediata para mim. As mulheres não. Lêem o cardápio de fio a pavio. Param nas melhores frases. Saboreiam o estilo literário. Quando chegam ao fim regressam ao inicio. Incrédulas com a leitura, chamam o empregado como se fossem estudantes em dia de exame. Apontam para uma proposição duvidosa, questionam o infeliz, ouvem, meditam, pedem mais dez minutos e começam todo o processo desde as “Entradas”. E, quando ela finalmente se decide, nunca se decide propriamente por um prato. O menu é apenas um esboço para combinações improváveis. A carne assada tem que ser grelhada. Bem grelhada mas tenra. O molho de carne tem de vir sem carne. Rigorosamente À parte. E, já agora, sem batatas e arroz. Só com salada ou saladas variadas e salteadas.

Resumindo, o que parecia para mim uma refeição tornou-se um triatlo.

sexta-feira, 25 de março de 2011

domingo, 20 de março de 2011

Feminismo

Alguns leitores deste blog apontam-me o dedo como anti-feminista.

Não podiam estar mais enganados. Honestamente, sou completamente a favor da emancipação da mulher e da paridade dos sexos. Aliás, julgo que as mulheres deviam tomar conta da política, das universidades e dos serviços, governando este mundo com pulso firme. Sonho com esse dia: fico em casa o dia todo com disponibilidade de tempo para ver novelas e programas na tv enquanto a minha mais que tudo atura idiotas das nove às cinco.

Já agora, um grande “Vai à mesmíssima merda” para os tipos que são contra a intervenção militar na Líbia.

terça-feira, 15 de março de 2011



Como compreender a atitude:

1- High five! Too slow.

2-Põe-te na bicha!

3- Não te gramo!!

4- Tu não que eu vi-te na casa de banho a fazer chichi e não lavastes as mãos.

quinta-feira, 10 de março de 2011



Mas quem porra?