segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Era uma vez...

Era uma vez o Natal
O Natal morreu
Foi um funeral bonito
Acordei...
Filho da #&$?!

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Hi-Fi*

Enquanto fazia a minha navegação cultural na net de hoje, deparei-me com uma notícia deveras interessante: de acordo com alguns estudiosos (desconfio que mulheres), os homens são criaturas naturalmente promíscuas, que não resistem aos inevitáveis apelos da carne. As mulheres, segundo a dita noticia e como elas próprias afirmam a pé juntos, monogamia é virtude feminina, não masculina; só elas são capazes de suportar o fardo da fidelidade. Não é minha intenção, no entanto, contestar tal tese. Eu sou homem de apenas uma mulher… por um dia, por uma hora ou por apenas um minuto. Mas de uma só. Mas nesta história toda, talvez não fosse má ideia esclarecer com quem os machos costumam prevaricar.

Ps*- o titulo é um trocadilho. Não sei se notaram. Pelo sim pelo não eu afirmo: é um trocadilho. Ok? Pronto...

Já agora: FELIZ KWANZAA!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Felizmente ainda me surpreendo e hoje foi com isto!!


Aumentem as imagens para ver melhor! A primeira vi numa loja de brinquedos e achei ainda pior do que a esfregona da vileda, feita para meninas. Talvez tenha algo a ver com o meu SAC (Síndrome Anti-Casamento) e com o facto de não ter nada contra a limpeza.

A segunda, mesmo estacionado por debaixo da janela do meu quarto, um carro de uma família adoradora de répteis.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

PRENDAS DE NATAL

Duas palavras: Michael Bolton! Há uns anos atrás ofereceram-me um cd dele. A minha vida mudou! A sério!!!! Nunca tinha vomitado tanto a tentar ouvir um cd. Mentira, nem sequer o tirei da embalagem, esperei que chegasse a altura da feira de discos para tentar impingir aquilo a alguém. Lembrei-me disto por causa do comentário da Dusty que referia pan pipes. O Michael é uma pan pipe humana. É de referir que a mesma pessoa me ofereceu, no ano seguinte, um livro da Rita Ferro. Como é que as pessoas nos podem conhecer tão mal? É fácil! É Natal, e há sempre quem se sinta obrigado a oferecer prendas. Este é um dos casos. Um amigo do meu pai dá dinheiro aos filhos para nos comprarem prendas e o meu pai fez isso umas quantas vezes comigo, mas como eu acabava sempre por lhes comprar vales cd ou livros, o meu pai decidiu que o melhor era mesmo dar o dinheiro directamente. O Natal é lindo!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Profissional do Séquiço



A 3ª idade também tem direito ao amor.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Me chupa a popota!*

Mais uma quadra natalícia se aproxima. Quer dizer, ela não se aproxima, já me entrou pela casa adentro, porque, afinal, há mais de um mês que sempre que ligo a tv, lá tenho que papar com anúncio de perfumes, relógios, brinquedos e os anúncios natalícios dos principais hipermercados portugueses. Já agora por falar em hipermercados, eu achava ridículo o Continente ter como animal natalício uma avestruz chamada Leopoldina e não é que o Modelo ainda o conseguiu superar? E vão dai e adoptam uma hipopotama chamada como?? POPOTA!! Lindo… Ela dança ao melhor estilo Britney Spears, ela canta ao ritmo de My Sweet Escape da Gwen Stefani. Simplesmente magnifico. Às vezes pergunto-me que género de tara têm os originais cérebros da SONAE com os animais africanos mas depois depressa me esqueço. Só espero que os miúdos que tirem fotos ao lado dela não saibam que os hipopótamos são, em África, os responsáveis pelo maior numero de ataques e mortes a humanos. Mais até que os predadores todos juntos.
Mas deixa. Ao menos esta dança.


PS-O nome deste post é em honra a um filme que vi ontem à noite e ainda estou perplexo com a ginastica de uma das actrizes.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Viagens

"O ruim sou eu, o burro sou eu?" "Porque non te callas?" "O que é que é preciso fazer para nascerem mais crianças em Portugal?" isto são perguntas razoáveis, agora uma pessoa vai na rua à hora do jornal da noite, o prime time, a hora do primo e portanto ruas desertas. Desertas não, porque há um trambolho que fura a escuridão. Mas não está só, alguém sai de uma cabine telefónica e a sua voz mata o silêncio: "ó senhora, senhora! Podia dizer-me qual é o dia de hoje" " Sim hoje estamos a ... (não me lembro em que dia é que isto foi, mas foi em Novembro)" Como fez um ar de estranheza acrescentei que era segunda-feira, agradeceu e voltou para a sua máquina do tempo, digo para a cabine telefónica. Juro que se me tivesse perguntado o ano eu teria ido com ela na sua viagem. E não é que dois dias depois o meu vizinho de cima encontra-me nas escadas e pergunta-me o mesmo. Acho que estou muito perto dos portais do tempo, mas é preciso ser toxicodependente ou esquizofrénica para os encontrar.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Relatório da ONU publicado ontem e nem me assustou minimamente

Portugal perde desenvolvimento humano

“Portugal regista a descida de um lugar no índice de desenvolvimento humano (IDH) em relação ao ano passado, posicionando-se em 29º entre 177 países, revela o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), publicado esta terça-feira. A edição de 2007/2008 do documento, dedicada às Alterações Climáticas, alerta também para o incumprimento do Protocolo de Quioto pelos países ricos.”
- in Correio da Manhã

Epá, e depois? Grande coisa… Mas ao menos, temos a maior árvore de Natal da Europa! Vejam só! Da Europa! Nem a Letónia ou a Estónia tem uma maior que a nossa. Além disso, temos o mais elevado numero de sinistralidade nas estradas; enterrámos milhões de euros em estádios de futebol desnecessários; um ministro que pagou pelo curso superior (isto nem nos States se encontra!!); temos essa maravilha que me deixa estupefacto chamada Cláudio Ramos; nesta semana realiza-se também a maior largada de bolas do mundo em Gondomar (é só adrenalina ein?) e, mais importante que tudo isso, descemos o défice para 3%. Somos realmente alguma coisa… Quer dizer… Acho eu assim de repente.

Se calhar não.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Pequenos tesouros escondidos

Pequenas coisas, meus caros! Pequenas coisas que apanhamos no nosso corpo e a nossa curiosidade acerca delas. Especialmente se é coisa que não podemos ver até a tirar.Por exemplo, sabem quando estão sentados calmamente num café, ou mesmo em casa em frente à televisão, a mexer no umbigo, e, enquanto mexemos e remexemos encontramos algo que parece ser… um belo bocado de cotão! E sejamos sinceros. Quantos são os que, depois de o extrair, não o cheiram? Quantos de vós não apreciam a sua textura? Mas têm que cheirar e apreciar! Claro que cheiram e apreciam! Afinal, é natural! E ficam entusiasmados e tudo. Quantos de vós não perderam uns bons minutos para apreciar aquela valente assoadela no lenço de papel quando sentiam as narinas congestionadas por uma miríade de pequenos e verdes borriés? E olharam… E apreciaram! «Mas que valente ranhadela que aqui está! Querida! Anda cá depressa! Olha só para o tamanho e a cor deste macaco! Aprecia a sua consistência! Que fantástico! Quem poderia dizer que tamanho tesouro estava acumulado nas minhas fossas nasais! Simplesmente fantástico! Olha, telefona depressa para o programa da Fátima Lopes e diz-lhe que temos uma ideia fantástica para um programa dela! E depois traz-me o álbum! Este macaco vai ficar fantástico ao lado do bocado de cotão eslovénio que encontrei no outro dia».

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Ode a uma triste vida

O Jacinto, um homem insignificante, nunca viveu tempos áureos. O ponto alto da sua vida deu-se quando estava na segunda classe. A sorte não se limitou a escolher não lhe bater à porta, tendo demolido a sua morada de forma deliberadamente na pele de um eucalipto que decidiu cair num dia de ventania. Teve uma existência tão aborrecida que, um dia, mostrou-me com orgulho o sítio onde o vizinho estacionava o carro. Numa tentativa de melhorar a sua vida, tentou vender a própria alma na Internet. Infelizmente, vendeu-a a um sujeito que nunca lha pagou. Não fez muito. Escreveu uma autobiografia que intitulou.”Porque estão a olhar para mim assim?” Mas havia uma coisa de que se orgulhava. Era um dos poucos homens que, aos oitenta e sete anos se lembrava do nome de todos os seus dentistas. Morreu no dia de S. Martinho depois de comer castanhas e beber aguapé chilena de origem estranha, depois de ter comido por engano um pacote de pastilhas digestivas em jejum.

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Anúncio da Zurich?



Assim que os meus esbugalhados olhos viram tal vídeo pela 1ª vez, foi óbvio que julguei estar diante de outro anúncio da Zurich Seguros. Mas não.
Trata-se de um mercado em Bangkok. Andamos nós a questionar a falta de espaços, locais para o novo aeroporto, onde poderá passar o TGV, em que locais poderão construir novos espaços verdes nas cidades, quando estes comedores de arroz compulsivo resolvem as coisas de um modo genial.
Já agora, proponho como local para o novo aeroporto a A1, funcionando os voos de 30 em 30 minutos alternados com o tráfego.

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Cala-te pá!



Imaginem a quantidade de problemas que teriam passado ao lado da Humanidade se alguém os tivesse mandado calar? Imaginam o Jesus a discursar no monte das oliveiras? Imaginam o Hitler nos seus anos de juventude quando lhe meteram na cabeça que fazia bons discursos? Imaginam quando algum idiota disse ao Herman que ficava bem de cabelo louro?

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Estrangeirices e Idiotices

Ontem decidi sair um bocado (que se prolongou até às 6 da manhã) para desanuviar e confraternizar. Esqueci-me que era 31 de Outubro, esqueci-me que tenho que pagar a renda daqui a poucos dias e pior de tudo, esqueci-me que era noite de Hallowen.
Essa típica festa portuguesa. Aliás, se não me engano, já a minha avó me falava das festanças que se faziam neste dia. Todos mascarados e tal. Enfim…
Para mim, o Hallowen em Portugal tem tanto sentido quanto tipas quase nuas a sambar no Carnaval português de Freixo de Espada à Cinta. Eu sei que é porreiro de ver. Enquanto eu estou de cachecol e sobretudo. Mas é giro ver a genica delas. Não param nem um segundo o que se compreende perfeitamente, se não, congelam. Enfim, há uma diferença entre o Carnaval português e o brasileiro e são aproximadamente 30º C.
Mas enfim, ontem tive pena de não me mascarar. Não tive tempo. Ando ocupado com o almoço do Dia de Acção de Graças. E depois ainda tenho o Bar Mitzvah do meu sobrinho, uma circuncisão como nos bons velhos tempos acompanhado por som de tambores japoneses e por gaitas de foles escocesas. Pois. Acho que divaguei um bocado. O que não é bonito. É feio mas enfim. Eu gosto mesmo de abusar da palavra ENFIM. É que gosto mesmo mas enfim...
Já agora, Feliz Kwanzaa para todos.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Reportagem Especial da Sic: Cannabis em Trás-os-Montes

Pelos vistos, a policia apanhou uma quantidade de agricultores que tinham plantações de cannabis na horta. Devem estar a julgar que seriam “jovens agricultores” daqueles que muito se encontram nestes festivais de verão que correm Portugal de lés a lés não é? Pois enganam-se! Eram todos velhotes. 52 pés de cannabis apreendidos, sementes suficientes para plantar uns hectares e 14 idosos presos mas sorridentes.


Para saberes mais, clica aqui!


terça-feira, 23 de outubro de 2007

Pensamentos Dispersos Vol. XXV

Adoro o calor, fatos de banho, óleo de fritar e piscinas. Realmente, as piscinas são dos únicos lugares onde não temos que andar à procura do urinol.

Numa destas noites conheci uma caloira da universidade. Nunca imaginei que a pele entre a acne pudesse ser tão suave…

Os puros de coração quando morrem vão para um sítio magnífico chamado céu onde tudo é lindo. Há de tudo à borla e não há guerras, doenças ou a Tertúlia Cor-de-rosa. Estava a brincar. Apenas apodrecemos no chão.

Gostava de conhecer dois gémeos siameses que fossem de partidos políticos diferentes.

E ainda gostava de saber se o Aqua-Man toma banho depois das refeições.

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

David

Conheci o homem mais extraordinário do mundo, é um galês de 73 anos com ares de Van Gogh e um sorriso sem idade. É um rapaz de barba e cabelos brancos, de iniciativa imparável e de uma ideologia prática a imitar! Admiro-o profundamente e era capaz de ficar horas a ouvi-lo. Lamentavelmente é muito bem casado e eu nasci tarde demais, mas que importa isso tive a sorte de o conhecer e de aprender três coisas com ele: sorrir, mesmo enquanto se espera, acreditar no trabalho sempre e que a melhor forma de viver é através da generosidade.

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Atitude!!




Vou esclarecer de vez esta questão da “atitude”. Alguém me disse um dia destes que a reacção do Pedro Santana Lopes foi uma má atitude. Que poderia ter dito outra coisa. Eu até achei que tinha sido uma boa atitude, no entanto, poderia ter tido uma melhor. Passo a explicar: a entrevista decorria normalmente (aprox. 1,5 minutos) até ser interrompido pela notícia bombástica de que o Mourinho tinha chegado ao aeroporto de Lisboa (isso sim é importância! Nessa noite nem dormi só a pensar se ele teria a casa em condições para o abrigar… pobre coitado, multimilionário e desempregado…). Depois de ser interrompido para o directo, voltava a vez de le de falar, mas, em vez de falar, esticava o braço para trás da secretária, pegava no taco de baseball usado pelos mediadores de debates para sanar discussões sobre desporto ou politica e começava a espancar violentamente a apresentadora usando como primeiro alvo os seus alvos dentes. Depois de espancar também os cameramen e quem mais estivesse no estúdio, voltava-se para a câmara e dizia: «Estes tipos deviam-me dinheiro…» e pronto. Isso sim é atitude e todos nós, portugueses, sabemos que em termos de algibeiras somos extremamente sensíveis. Por mim passava na boa. Até me levantava para bater palmas. Uma ou duas.

terça-feira, 16 de outubro de 2007

1ºActo

Um acto falhado de uma vez, vá pronto passa, tudo bem, somos nós a nos trairmos... Dois actos falhados de uma só vez, com a pessoa errada, ou neste caso a aparentemente certa, parece-me que já não é um acto falhado, somos nós a fazer um ataque terrorista contra a nossa própria vida! A culpa disto tudo é do Socrates, quer dizer desta vez a culpa até nem foi de nenhum membro do governo, foi minha. MEA CULPA!!!! AHHHHHHHHHHHHHHH!
Tudo aconteceu há duas semanas e nunca mais tive coragem de me apresentar na rua de cara destapada, agora ando com uma meia de vidro côr de pele na cabeça, as crianças fogem de mim, os reformados agarram-se às reformas, os cães ladram e perseguem-me, mas pelo menos não sou reconhecida!

sábado, 13 de outubro de 2007

Abé, Abé, Abé mariiiia!

As imagens de "primeiros a entrar na 4º maior igreja do mundo" comoveram-me. Ver pessoas entaladas umas contra as outras ao género de apedrejamento do demónio em Meca fez-me encher de orgulho. Parecia a entrada da Expo98, mas sem bilhete e com abés marias desafinados!!! Belas imagens revestidas a folha de ouro! Mal estes pequenitos sabiam que ver nossas senhoras em cima de azinheiras ía dar nisto. Criaram um dos maiores volumes de negócio da igreja católica e o que é que lhes aconteceu? Dois morreram ainda crianças e a outra foi encarcerada num convento. É assim que se tratam as pessoas com iniciativa em Portugal!

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Prémio Nobel da Paz

Há mais de 30 anos que ecologistas e cientistas andam a dizer ao mundo "Olhem que se continuarmos assim isto não vai acabar bem!". Chega um marmanjo com um documentário sensacionalista com ursos polares em apuros e toma lá o prémio Nobel da paz! Sim senhor isto está bonito está! Já não chegavam os dois Óscares??? Al Gore é como aqueles estudantes que vão à net e imprimem trabalhos feitos por outros e entregam-nos sem ler. Fez isso com o documentário e com o Live Earth! É um plagiador sem escrúpulos e aplaudido!
A única coisa boa disto, e há que ser optimista e ver o lado bom das coisas (aprendi isto com a Dra que me internou compulsivamente da última vez, acho que é uma leitora assídua de Paulo Coelho), é que já há dois prémios Nobel da Paz entregues a pessoas ligadas a movimentos ecologistas.
Em 2004 uma mulher africana Wangari Muta Maathai ganhou este mesmo prémio, mas esta queniana esfalfou-se a vida inteira numa luta pró-ambientalista, na reflorestação e na criação de associações de mulheres agricultoras.

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Casamento

Anti-casamento eu? Não porque razão haveria de ser anti-casamento, se o fosse não diria casamento pois temeria que as minhas cordas vocais derretessem ao produzir tal som! É com orgulho que digo que na minha família não há um único divórcio, na minha família só há casamentos medianamente infelizes, casamentos infelizes, casamentos profundamente infelizes e casamentos desastrosos!

Esquemas!

Ele - Queres casar comigo?
Ela - Está uma bela tarde de outono, repara bem na cor das folhas das árvores!
Ele - O que é que tem de especial estão verdes!
Ela - Eh pá estás sempre a estragar os momentos românticos! Acho que é melhor acabarmos!

Agora a questão é: quem deu a volta a quem?

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Death Proof



Depois de ver o ultimo filme do Tarantino, fiquei a pensar naquilo que mais me agradou em toda aquela hora e meia de olhar esgazeado. Teria sido das miúdas? Do presunto aos saltos no meio do asfalto? Do modo como captou os filmes fantásticos de série B que se fazia nos idos anos 60?
E depois esta música ficou-me no ouvido.
Será que nos anos 60 a industria de amaciador para cabelo florescia a olhos vistos ou as fartas cabeleiras em vigor na moda da altura se assemelhava a um tojo alentejano seco?

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Poemas

Quero partilhar dois poemas convosco. Há uma inovação formal nestas composições, são poemas constituídos apenas por um verso. O primeiro foi escrito há 14 anos em conjunto com o meu grande amigo Marco.
título: Dúvida existencial:
PORQUÊ???
O segundo escrevi-o ontem e acho que me consegui superar:
título: A que preço está?
Sou uma puta!

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Dave Matthews Band

Gosto muito destes meninos! Das músicas que conheço, não há uma que não goste, saliento no entanto #41, The stone e Crash into me, sendo a última absolutamente lamechas, mas é tão cool que até um camionista de barba rija e poster com mamas grandes, pode dizer que gosta, sem que por isso seja alvo de apedrejamento de insultos género : "olha a florzinha!"
Lamento muito não ter ido ao concerto, mas agora posso comprar o DVD, UAU!! (claro que não é a mesma coisa, mas é o que posso ter...)
Da próxima vez não faltarei! Vou lá estar mesmo colada ao palco, ou eu não seja um grande Trambolho!

Trabalho

Trabalhar.

Acto que nos faz acordar de manhã cedo para passar o dia a labutar para que no fim do mês recebamos um parco salário e que um dia possamos desfrutar da nossa merecida reforma sentados num banco de jardim à espera que as horas e os minutos passem até que estiquemos o pernil (eu sei que é um parágrafo grande. Estava-me a armar em Saramago para ver como se-me colava a camisa... Mas não gostei). Segundo a voz popular, o trabalho dignifica. Depois de muito me debruçar acerca desta questão cheguei à conclusão que realmente dignifica. Mas para isso temos que considerar as alternativas: a indigência ou o roubo.

sábado, 29 de setembro de 2007

INQUISIÇÃO

Fogueiras que usavam pessoas como combustível é um tema que sempre me fascinou, até porque li algures que foram queimadas 20000 mulheres ruivas durante a inquisição. Ao que parece ardiam que era uma beleza, belos tempos... Agora temos o gás natural, mas não é a mesma coisa... não há gritos, nem cheiro a carne queimada, a não ser que nos esqueçamos de um tacho ao lume tempo demais, digo isto em relação ao cheiro, já que a carne de talho esquartejada não grita. Acho eu!? Mulher ruiva = BRUXA! Que pena se ter perdido esta pérola do conhecimento. É isto que me chateia as pessoas não aprendem com a história. Porque raio não se aponta a uma pessoas na rua e não se grita: BRUXA!!!
Uma vez acabada de sair de casa a correr para apanhar o autocarro, um desconhecido disse-me: "Bom dia cabeça de abóbora!" Não há respeito, pensei! Estive para lhe dizer olha lá coisinho, sabias que eu, não fossem estes tempos modernos amnésicos, podia estar agora a ser um churrasco/espectáculo para divertimento de centenas de pessoas?

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Palmamaníacos

Eu, os meus irmãos e a minha cunhada somos todos Palmamaníacos, uns mais moderados do que outros, uns há mais tempo que outros... e agora a minha sobrinha de 3 anos é a mais recente. Canta melhor as músicas do Jorge Palma do que a do Noddy e fez as seguintes perguntas:
- Papá porque é que o o senhor diz que já viveu cem mil anos?
- Com isso ele quer dizer que já viveu muita coisa.
- Ah! e o que quer dizer dá cabo dos teus desenganos?
- Pois hum... é para ... quer dizer...
- O que é um homem-bomba?
- Olha vai perguntar à mamã!

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

K keres?

Os telemóveis foram criados para a conversa. Mas parece que agora ninguém está interessado em conversar. As mensagens escritas foram substituindo a conversa à distância e, com o tempo, nem a mensagem escrita sobreviveu. Sobreviveram antes uns hieróglifos imperceptíveis, sem ordem ou gramática, que reduzem a comunicação ao mínimo necessário e que cada vez que vislumbro uma, sinto um arrepio na espinha e apetece-me espancar o remetente de um modo violento aplicando-lhe várias pancadas com uma corvina congelada.
O futuro, creio eu, passará por um sistema qualquer de sons guturais que faria as delícias para os primeiros hominídeos que percorreram as savanas africanas. Um guincho significará “tenho saudades tuas” e um grunhido será uma forma pouco elegante de mostrar discórdia ou amuo. Enfim… séculos de refinamento cultural não sobreviveram à velha animalidade da espécie. No fundo, no fundo, os macacos já tinham saudades nossas

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Courbet

"Com Gilette Mach 3, até o Fidel parece outro"


Vejo e revejo a mais famosa pintura de Courbet. Realista em pleno séc. XIX.
Vem-me à mente se “A Origem do Mundo” é mesmo o título mais apropriado. “A Desgraça do Mundo” tambem não ficava nada mal.

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Descobri...

... finalmente o que quero ser. Preparados?! Eu quero ser uma MULHER-BOMBA! Não, não quero ser como a Jolie, nem como a Johansson, eu quero fazer-me explodir e levar comigo a estupidez.
A estupidez deveria ser mais valorizada, afinal porque raio é que o raro é que é valorizado? Valorize-se a estupidez e rebente-se com ela! Eu quero ir junto porque sou possuidora de uma estupidez requintada que cresce com o tempo e não aprende com os erros (o que vendo bem é a mesma coisa).
Só há um pequeno problema, aos homens-bomba eu sei o que é prometido: o paraíso, 20 mulheres virgens, riquezas sem fim... mas nada disso me interessa, especialmente a parte das criancinhas, aqueles tarados nojentos!
E às mulheres-bomba o que será prometido? Máquinas de lavar roupa?

As Palavras do J.C.



Daí não me apanharem a transmitir os ensinamentos de Cristo. Sou disléxico.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Miscigenações & castanhas


"Pera ai cara! Você tem uma pestana solta! Feche os olhinhos e peça um desejo"


Há algo fantástico que adora na miscigenação de culturas e povos. Nós portugueses, somos o resultado do caldeirão da miscigenação entre Lusitanos, Celtas, Iberos, Romanos, Paleo-Cristãos, magrebinos, e, nós próprios agentes dela aquando da Expansão Marítima.
Quando colocamos um indivíduo num novo ambiente, este exerce a sua acção sobre o indivíduo moldando-o a seu bel-prazer, contudo, o indivíduo também exerce a sua acção no meio e também o molda. Digamos que é uma interacção fantástica da qual resulta um ambiente mais rico e um individuo também ele mais rico em termos culturais e genéticos. Como tal, o indivíduo irá absorver particularidades relativas a esse ambiente e por sua vez, o ambiente absorve particularidades do indivíduo. Trata-se de um processo muito dinâmico mas um tanto ou quanto lento.
Bem, resumindo, fiz esta conversa toda para explicar o motivo pelo qual vemos tipas de biquini a sambarem com chuva e temperaturas quase negativas nos Carnavais desse Portugal fora e qual a razão que levou o Scolari a ter tal atitude ao dar a provar ao Dragutinovic o nosso melhor prato típico português servido desde tempos imemoráveis desde que um tipo se zangou com a mãe e decidiu fundar um pais: a castanha.

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Soprem as velas!!

E os PFCAD fizeram mais 1 ano de existência. Já lá vão 2 desde que numa noite sem nada para fazer e depois de muita aguarrás ingerida decidimos criar este nosso cantinho da blogosfera depois de lermos no pasquim… quer dizer, jornal 24 Horas um artigo acerca de blogs. Por acaso foi sem querer. Estávamos a admirar aquelas belas páginas dos classificados denominados por “Convívio” quando uma rajada de vento mudou a página. E olhem que na altura, tal pedaço de papel….ah… pasq… jornal… ainda nem tinha na parte do convívio imagens dos pedaços de carn… ah… das raparigas interessadas na confraternização. E tudo porque o Satanhoco gostava de fazer chamadas a cobrar no destinatário…
Enfim…
Primeiro de tudo, quero agradecer a todos vós, seres masoquistas, que investem 2 a 3 minutos do vosso precioso tempo a averiguar que raio se escreve por aqui.
Em segundo, quero desculpar a nossa falta de posts neste Verão. Pois. É que se não fosse a Trambolho a escrever algo de vez em quando, isto estava mais seco que a conta bancária de um Shor Silva no final das férias no Algarve.
Da minha parte, tenho como desculpa as doses de Silvas e Avecs que aturo por dia e que me dão cabo da paciência. Dos outros não me pronuncio.
De qualquer modo, não podia deixar de falar acerca da emotividade deste dia. Por falar nisso, vou ali buscar um lenço de papel para enxogar as lágrimas e venho já.
É que entalei o prepúcio no feixo das calças. Não chorava assim tão emotivo desde que ví a Lili Caneças depois da cirurgia estética.
É impressionante como a Princesa Diana é que levou com o radiador na cabeça e ela é que apresenta o aspecto.

domingo, 2 de setembro de 2007

Tradição

Há muitos anos atrás num dos programas de Domingo à tarde, apresentado por Júlio Isidro, uma senhora contou uma pequena estória familiar:
"Na semana passada convidei uns amigos para jantar e decidi fazer perna de cabrito assada no forno. Ao servir um dos meus amigos perguntou como era feito. Eu estava a dizer a receita e às tantas pergunta-me porque é que eu cortava a perna em duas partes, ao que respondi : olha porque foi assim que a minha mãe me ensinou a fazer! Alguns dias depois perguntei à minha mãe porque razão cortava a perna de cabrito em duas partes, ao que me respondeu: foi assim que a tua avó me ensinou a fazer. Então decidimos perguntar à minha avó o porquê da divisão da perna em duas partes. A resposta: Ora então, porque o meu forno era muito pequeno e tinha que ir uma parte de cada vez."
Para mim a tradição é isto, é um contínuo de questões que ficam por fazer. Não há uma maneira única e certa de se viver.
Moral:
1. Até num programa interminável dos anos 80/início de 90 se pode aprender alguma coisa.
2. Não tenho avós, por isso mais vale ir pelo seguro e fazer tudo de uma maneira diferente.

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

O meu actor preferido



O meu actor preferido por Trambolho ao postigo


Luís Vicente é o mais brilhante actor de teatro que já tive a oportunidade de ver trabalhar. Ele é simplesmente genial no que faz. Em Othelo fez um Yago sublime que me fez esquecer os horríveis figurinos e as unhacas da Desdémona, pelos vistos não esqueci, mas não fora a sua presença e aquela peça de três horas numa cadeira desconfortável teria sido uma tortura. Em Calígula foi o sanguinário imperador e foi num palco que vi pela primeira vez uma pessoa voar, quando ele se lançou ao pescoço de um dos seus "traidores". Na História de um soldado, num texto paralelo ao Dr. Fausto, foi um diabo camaleónico sublime (aqui os figurinos, adereços e cenário eram excelentes e ele soube usá-los na perfeição). Ainda estou a aplaudir o seu Ricardo III e já passaram 9 meses.

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Banho 29

Era uma vez uns tipos católicos, mas não muito, que queriam matar uns tipos muçulmanos, mas estes últimos não queriam morrer e estranhamente lutavam pelas suas vidas e pela sua terra. Ás tantas uma tipa católica, mas não muito, enamorou-se por um tipo muçulmano, mas se calhar também não muito e andaram enrolados (ao que parece). Ora em tempo de guerra andar a dormir com o inimigo não é assim uma coisa muito bem vista e a tipa foi considerada traidora pelos seus e para se livrar dessa terrível calúnia traiu o tipo com quem andava. E contou um segredo dos mouros "Diz que eles na primeira noite da quarta lua do mês de Agosto vão a banhos ao mar". Os católicos esperaram pela primeira noite da quarta lua do mês de Agosto. Assim que os mouros se desnudaram e estavam regalados no mar, os católicos atacaram bravamente homens nus e desarmados e mataram-nos todos. Depois cortaram-lhes as cabeças e enterraram-nas num monte e os corpos noutro, isto diz que foi lá para os lados de Aljezur.
Actualmente comemora-se este acontecimento com um banho de mar na noite de 29 de Agosto, com fogo de artíficio e este ano com a presença do maravilhoso Toy.
Mas eu acho que a tradição é uma coisa muito séria e que por isso deviam ser largados assim uns marroquinos nus no mar e depois quem cortasse mais cabeças teria direito a duas entradas grátis para o concerto do Toy.
Fui agora informada que isto não podia ser, que eu estou errada, porque afinal o concerto é de graça, oh pá também não seja por isso arranjava-se outro prémio qualquer!

Bem melhor que o original! Bem... isto em certos e determinados aspectos que não glúteos e arcaboiços

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

sábado, 18 de agosto de 2007

Sou absolutamente fã das minhas sobrinhas

"Sabes tia, eu e o João Carlos demos 3 beijos na boca, 3 beijos não é muitos, mas 4 já é muitos, então 10 UI! (interjeição acompanhada por um gesto com a mão que dizia ui repetidas vezes)"
"Nós demos os beijos na boca porque eu pensava que já era grande e já podia!"
"- Mamã!?
- Sim?
- Porque é que não temos um avião?
- Olha porque a mamã não casou com um futebolista.
(Passado algum tempo)
- Mamã quando eu fôr grande vou casar com o Noddy"
(Para quem não conhece uma das personagens mais irritantes de desenhos animados que existe, informo que o dito cujo tem um avião)
"- Tia, eu e o João Carlos casámos na escola!
- A sério?
- Sim eu estava vestida de noiva e ele de princípe!"

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

"Há 9 anos, 3 dias e 45 minutos que não bebo álcool"

O orgulho com que disse esta frase não mascarou no entanto o ligeiro tremor que a visão de uma cerveja fresca lhe causou. Talvez por isso se ensombrou o olhar que se perdeu no fundo da chávena de café (um dos vícios substitutos do outro, do pior "do que me desgraçou a vida").
E ela olhava-o e cantarolava para dentro "reduz as tuas necessidades se queres passar bem, que a dependência é uma besta que dá cabo do desejo e a liberdade é uma maluca que sabe quanto vale um beijo". Desviou a sua atenção para a vela que estava em cima da mesa e a pequena chama encheu-se de lágrimas, reduzira tanto as suas necessidades ao longo dos anos que se negou à liberdade prometida da música.

terça-feira, 7 de agosto de 2007

terça-feira, 31 de julho de 2007

Perfeitamente!

Há ainda quem goste de fazer coisas em vez de comprar imitações baratas, foleiras e sem qualquer valor orgânico. Quando se cria qualquer coisa o resultado não é só um objecto é muito mais. É como um retrato tirado num photomatom são todas as imperfeições de uma máquina específica que dão valor às fotografias imperfeitas que faz. Só há pouco tempo, depois de tentativas frustradas para atingir o que eu achava ser a perfeição, percebi que é na imperfeição que está o valor. Não há nada pior para um ginasta de alta competição do que falhar, isso é estar longe do 9.9, mas uma queda não os torna piores do que os outros e ajuda-nos a perceber que ali estão pessoas. Cada vez gosto mais de pessoas, e cada vez gosto mais dos seus defeitos irritantes, são verdadeiras fontes de inspiração. Viva a imperfeição!

quinta-feira, 26 de julho de 2007

Corre agora, reza depois.

Não gosto de atletas que apontam para o céu depois de conseguirem um triunfo qualquer. Pior ainda são os que se ajoelham, baixam a cabeça e fazem questão de mostrar a toda a gente que são “crentes”. Que acreditam em Deus, Alá, no Buda ou na masculinidade do Cláudio Ramos. Sabem uma coisa? Deus não gosta dessa treta. Eu sei porque ele disse-me ontem. Não fica impressionado com exibicionismos espirituais. Sente-se envergonhado. Até diz: Levanta-te seu falso! Exibicionista do caraças! Levanta-te e presta atenção ao raio do jogo pá! Já percebi! Imaginem só a presunção desta gente ao pensar que Deus os está a ajudar e espera agradecimento. Um obrigado, quiçá até um funanáe um xi-coração. Corram agora e rezem depois. Deus está-se nas tintas.

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Azevias Grátis

domingo, 22 de julho de 2007

Se o amor existisse...

... José Cid não insistiria em continuar a cantar, os semáforos seriam desnecessários e os passarinhos cantariam noite e dia (e depois caíriam das árvores com um esgotamento fisíco, ou com uma pedra certeira de alguém com sono leve).
A verdade é que o amor é uma das invenções mais diabólicas do homem. Vejamos: é suposto amar a Deus sobre todas as coisas, desculpa lá pázinho, mas eu gosto mais da voz da Nina Simone do que de ti.
Temos que amar mais a nossa família do que os nossos amigos, mas será mesmo assim? Vá lá sejam honestos, não há assim uns familiares que vocês gostariam de ver enviados em correio verde para o Turquemenistão?
No fundo o amor é uma carga de trabalhos para a consciência!
Ai e os filmes românticos e os americanos fazem-nos às centenas. Já cheguei a pensar que é uma das armas massificantes mais eficaz que existe. Ora a fórmula: menino conhece menina acontecem umas complicações e depois os fins com um beijinho à espera de um Oh!!! As maioria das mulheres que conheço saem do cinema a pensar: "Mas porque é que isto não me acontece a mim." O que é triste. Tenho uma certa pena dos homens porque aparentemente têm que ser românticos, sensíveis e dizer frases genialmente elogiosas, não podem olhar para as boazonas que passam na rua e têm que gostar de crianças, salvar animais em perigo e ajudar idosos a atravessar as ruas. Quanto às mulheres cabe o papel de ser bonitas e vá boazinhas. Os maus da fita destes filmes, não são maus, são irritantes, para que os achemos estúpidos.
Está bem, está bem o amor existe e eu já o vi por aí, mas não é nada bonzinho e fofinho é como as pessoas, tem dias!

sexta-feira, 20 de julho de 2007

A gêmea e a gêmea a verdadeira estória

Nesta estória terrível não há bons nem mais ou menos assim assim. Há maus muito maus genes a ser propagados a uma velocidade assustadora de 3 grãos de polen por 500 metros lineares.
Há muitos anos atrás, no calor da noite, duas irmãs degladeavam-se no mesmo corpo por um único objectivo - Jorge Nuno o mais fantástico mancebo do reino do Dragão. Ele havia herdado o manto azul e branco e um dos seus irmãos de barba branca e longa era um feiticeiro poderoso, associado às morgues e às trevas.
Estas duas mulheres partilhavam um par de pernas, e uma cintura de vespa. Os problemas começaram quando cada uma dizia uma coisa, mas com a mesma cara de princesa Diana a admitir os seus problemas bulímicos e conjugais tudo de uma só vez para partir os corações de mulheres viúvas, aposentadas e com as dentaduras dentro de copos de vidro em mesinhas enfeitadas com naperons de uma beleza e utilidade inegáveis.
Uma escreveu um livro e a outra escondeu-se numa gruta nos confins do Douro, mas depois, como na famosa alegoria, viu a luz e decidiu falar à SIC, uma aterradora rival de sua irmã.
"AH AH AHHHHHH agora és tu minha baca que bais ter que me oubir!"
Enquanto isso Jorge Nuno contactava os seus homens fortes e congeminava a melhor forma de fazer com que tudo parecesse um acidente.

quinta-feira, 19 de julho de 2007

Pensamentos Dispersos Vol. XXIV

Dica de poupança energética (uma vez que parece que tá na moda agora): se tiverem idosos a viverem convosco, cortem no aquecimento, arrefecimento, e iluminação do sítio em que eles ficam. Os velhos estão sempre a exagerar no frio que sentem.

Até chegarmos a uma certa idade, não temos nada na vida que precisemos “ultrapassar”. É isso que a vida parece ser. Um processo continuo que envolve fazer coisas que queremos pôr para trás das costas.

Hoje em dia, há lutas fratricidas entre gangs nas ruas, nas quais as pessoas morrem pelo direito de vender uma coisa chamada “ecstasis”… Ironia? Não. Palermice.

Sempre que ouço fulano ou sicrano dizer que vive num condomínio fechado, recordo-me de Auschwitz.

Sempre que encontro um mosquito ou mosca morta no meu quarto, uma que não estivesse lá no dia anterior, ponho-me a pensar em como terá morrido. Penso se terá sido um enfarte ou um derrame cerebral no seu pequeno cérebro de insecto. Imagino como poderá estar a reagir a família. A seguir penso que, se calhar, está só a fazer-se de morta para me enganar. Então, mostro-lhe o meu nº 45 e esborracho-a.

Dica de saúde e da luta contra o envelhecimento da população: nunca, mas mesmo nunca despeje produtos químicos corrosivos sobre os testículos.

Esta afirmação é falsa.

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Está provado

Está provado cientificamente que em situações desesperadas há quem grite.
Está provado cientificamente que até o Cláudio Ramos é uma espécie de pessoa.
Está provado cientificamente que se diz as coisas mais parvas e embaraçosas, quando se deveria dizer as mais inteligentes e perspicazes e engraçadas e extremamente geniais.
Está provado cientificamente que dos departamentos de finanças se sai sempre mais leve.
Está provado cientificamente que não se pode secar animais de estimação no microondas.
Está provado cientificamente que o calor do verão se deve aos gases libertados pelas ovelhas australianas.
Está provado empiricamente que a abstenção é elevada quando se fazem eleições em Lisboa em meses de férias de verão.

quarta-feira, 11 de julho de 2007

Selo Verde? Tá aprovado!

Acho um piadão à recente “Onda Verde” que invadiu os anúncios televisivos. Como é óbvio, não sou contra ele. Tudo o que seja a favor da natureza, do ambiente, eu sou o primeiro a dizer-me a favor. Mas é impressionante. Iogurtes biológicos patrocinados por hippies, fruta e legumes biológicos patrocinados por um elefante com um trevo na tromba acompanhado pela mais irritante música de toda a criação, sumos biológicos que apelam à economização de energia, papel higiénico biológico quando o que mais interessa nele é que seja macio e não semelhante a lixa nº2 para metais fundidos. O engraçado é que todo este palavreado afloreado vende. Vende tanto quanto as palavras fresco, natural, tradicional ou caseiro.
Quando dizem tradicional, querem que pensemos nos bons velhos tempos, não é? Os bons velhos tempos. Antes de ser obrigatório seguir as regras básicas de higiene. Antes de a limpeza estar na moda. Na altura em que o pano com que se limpava o rabiosque da vaca servia também para limpar as tetas desta. Quando ainda se consideravam que a Escherichia coli* e a salmonela ainda eram um condimento e que diarreias violentas eram castigos de Deus por pensamentos libidinosos.
Ao lado, no departamento de nostalgia, encontramos o rótulo caseiro. Podem ver pelas palavras nas prateleiras do hipermercado. Sabor caseiro. Pois. Sim… Oiçam o que vos digo: uma fábrica com milhares de metros quadrados não pode produzir nada que seja caseiro. Não quero saber que o presidente do concelho administrativo viva na cave, usa avental rendilhado, faça comida num fogão a lenha e vá fazer as necessidades fisiológicas atrás de um eucalipto. É impossível. E adoro ver rótulos de sopa pré-cozinhada que dizem caseira. Eu não me importo que a empregada de metro e meio viciada em anfetaminas com cabelo cor de laranja e a fumar três cigarros ao mesmo tempo seja parecida com a mãezinha. A sopa não é caseira. A não ser que a cozinheira e a família durmam e vivam na cozinha. E, nesse caso, perdi o apetite.
Comida caseira em hipermercados é um mito. Querem saber o que é realmente caseiro? Uma bomba de pregos, um cocktail molotov ou daqueles pauzinhos que fazem BUUUM que os tipos do médio-oriente atam à cintura. Isso sim é caseiro. Se precisarem de mais informações consultem o bloco de notas de qualquer membro da Al-Qaeda. Esses sabem fazer umas coisas à moda antiga.

*Espécie de bactéria presente nas fezes.

terça-feira, 10 de julho de 2007

Kitchi! Kitchi! Vem mi buscá!!




Caso para dizer: Jovem! Mete-te no alcool e ficas como o Knight Rider (vulgo Justiceiro)! Mas sem Kit e uma boa probabilidade de desenvolveres uma valente cirrose... isso ou um contracto com a McDonalds.

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Livro de instruções

Liberte a alavanca, aplicando pressão sobre o encaixe e apertando os parafusos. Pressione o botão e remova a cobertura de segurança. De seguida, rode a patilha para soltar a mola e continue a rodar para dar folga à espoleta. Afrouxe os parafusos na tampa da placa e insira os pinos na ranhura. Rode os dispositivo de controlo uma volta e meia antes de baixar as duas alavancas. De seguida, faça descer o suporte principal até atingir uma posição neutra. Tenha cuidado para não soltar a cobertura antes de accionar o encaixe. Ligue a ficha à tomada e está pronto a usar. Se a sala se encher de fumo, se a sua cidade ficar ás escuras devido a um curto circuito, se se soltar uma peça do aparelho a alta velocidade que decepe algum membro de um seu ente querido, leia a secção «Resolução de Problemas» no fim deste manual. Para as emergências disque 112 no seu telefone ou telemóvel. Para eutanásia não assistida, sintonize a SIC no seu televisor e assista a cinco minutos das Chiquititas.

domingo, 8 de julho de 2007

Live earth. Mundialito de futsal. 7 maravilhas do mundo

O fim-de-semana patrocinado por pasta de dentes COLGATE! Eu adoro a ASAE, gostava de ser uma inspectora da ASAE, porque pertencer à ASAE é ter as compras do mês feitas a custo zero.
- Oh môr atão já na temes pasta de dentes em casa!?
- Esqueceu-se-me. Deixa estar que daqui a pouque ligue ao Antunes e a gente fica garantides para um ane em pasta de dentes.
No Pavilhão Atlântico tinham feito falta uns quantos inspectores da ASAE, para fazer número porque aquilo estava assim para o poucochinho e era de graça...
Quanto ao mundialito UHuuuuuuuuuuuuu! Somos campeões eh leca sim senhor!!!!!!!!
Deixei as Maravilhas para o fim porque ... oh pá que barraca descomunal, desde a Mariza Cruz a degladear-se com um presidente de câmara por causa do microfone, até uma senhora de Guimarães a querer dar-lhe "um cá beijinho minha linda!" E depois os atrasos, um actor com dificuldades visuais a ler um discurso de um tipo que não chegou a horas, o atraso mental do Carreras a fazer o pior playback do mundo... E os comentadores, que atraso de vida: "Esta é a prova de que Portugal é capaz de organizar um evento deste tipo". É pá, já vi bem melhor por estas bandas, acho que este não será um bom exemplo para citar.
COM COLGATE TOTAL ESTE FIM-DE-SEMANA FOI UM CHAVASCAL!!!!!

quarta-feira, 4 de julho de 2007

Em busca de alguma lucidez

Depois das estações de comboios e outras paragens de transportes públicos, onde há mais gente demente é no resto do mundo...
Após uma hora (ou assim me pareceu) a ter um monólogo com um homem de discurso absolutamente esquisofrénico, fiquei exausta, tamanho foi o esforço para tentar encontrar ligação entre cada assunto. "No outro dia li um que quanto à forma me pareceu mais importante no enfoque da violência e depois recolhi sete sacos de papel..." e eu a ouvir e à espera que ele sacasse da sua motosserra portátil e me cortasse às postas.
Quanto ao meu vizinho de cima depois de uma temporada de internamento forçado voltou pior... E eu se acreditasse nalguma coisa rezaria para nunca ficar assim.
Loucura sim! Demência não por favor!

segunda-feira, 2 de julho de 2007

Acerca da morte e suas consequências

Ontem, Domingo, a TVI passou um filme pela 1456ª vez, o Titanic, abrilhantados pelo Leonardo DiCaprio e a Kate Winslet, olhei, vi por um segundo e mudei depressa de canal com receio de vislumbrar pela segunda vez o meu almoço. Durante grande parte do dia e da noite, a RTP 1 passou um concerto em memória da Diana de Gales e nós lá tivemos que papar com ele mas até nem foi mau. A princesa até era mesmo boa pessoa. Mas morreu. Triste. Mas é algo inevitável. A diferença é que ela pertencia à monarquia e era conhecida.

Não há forma de fugir à morte.
Será que a única razão pela qual morremos é porque aceitamos a morte como uma inevitabilidade? Não. Palermice minha. É que se me acabaram os comprimidos.
De qualquer forma, vejam como é útil a morte. Enriquece os agentes funerários, taxidermistas, hospitais seguradoras e um ou outro sortudo familiar do falecido de vez em quando. Já imaginaram a chatice que seria caso não existisse a morte? Alguma vez se deram ao trabalho de imaginar minimamente? Eu garanto-vos uma coisa: Não queria o Gengis Khan para meu vizinho.

E por falar em Titanic, imaginam o efeito que tal ausência da morte teria? Naquela ultima parte?

A Kate acorda em cima da tábua e vê o seu amor Leonardo completamente congelado e morto por hipotermia. Toca-lhe e este mergulha na direcção das profundas e geladas águas do Atlântico norte.
Nisto, regressa à superfície.
DiCaprio: Ah…. Sabes Kate…Ah….
Kate: Meu amor! Voltastes da morte para mim! Agora podemos casar! Comprar uma casa e criar seis gaiatos ranhosos, um periquito e uma cachupa!!
DiCaprio: Pois… É acerca disso. Olha… Isto que se passou foi só uma aventura. É que… Bem… Eu na realidade não gosto de ti. Aliás, odeio-te a ti mais esse teu sotaque irritante e esse feitiozinho britânico empertigado de quem não parte um prato. Além disso, já tenho uma amiga especial nos states que não faz metade do cagaçal que tu fazes durante o acto... Bem, então... Xauzinho ai.
E afasta-se nadando entre icebergs nas gélidas águas do Atlântico Norte debaixo do introvertido sol de Abril.

Além disso, além de não termos espaço para esticar os pés, com a qualidade dos canais de televisão que impera hoje em dia, arriscávamo-nos a ter o Adolf Hitler a apresentar algum tak-show no prime-time de Sábado.

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Pensamentos Dispersos Vol. XXIII

Acabei de ver um videoclip da Gwen Stephanie. Não sei quem é a Hollaback Girl. Só sei que a quero ver morta.

Será que o Aquaman toma banho durante a digestão?

Adoro idosos e a sua forma de viver. Adoro tudo. O seu racismo tacanho, a sua flatulência-peido-me-em-qualquer-lugar-e-tou-me-nas-tintas e especialmente a maneira como mastigam mesmo que não tenham comida nenhuma na boca. E também adoro aquela gosma que acumulam nos cantos da boca.

Adoro os idosos por terem as unhas da cor dum queijo flamengo.

Máxima de qualquer religião- acredita no que digo ou aleijo-te.

No fim de contas, a insónia consiste em dormir ao contrário.

O petróleo surgiu na altura em que os peixes se afogavam dentro de água. E os árabes saltavam de júbilo e alegria.

No caso de falta de água, os animais só sobrevivem se forem ao taxidermista.

O principal problema do terceiro mundo é a superabundância de necessidades. De resto, tá-se bem.

Acho a arquitectura impressionante. Especialmente por fazerem edifícios verticais.

Adoro o sol. Afinal, é ele que nos dá luz, calor e turistas.

terça-feira, 26 de junho de 2007

Videoclip directamente da frigideira



Este videoclip dos Blasted Mechanism foi realizado na frigideira (ou sertã) onde a passarada foi preparada e que serviu para muitos como ninho! Só poderia para ter tamanha qualidade.
Por falar em Blasted, às 22h de hoje, ou seja, daqui a pouco, vou vê-los na nova Arena de Évora.
Apenas tenho pena que eles sejam portuguêses. Fossem de outro qualquer país e já andariam há anos nas bocas do mundo e com um palmarés fantásticos de prémios na música por esse planeta fora.

Mina de S. Domingos RULES!!!
Como diria a tal menina do anuncio: há coisas fantásticas não há??
Ao que eu respondo: Há sim senhor! E o filho do Cláudio Ramos é uma delas... é que me escapa totalmente como foi possivel ele ter sido concebido.


quinta-feira, 21 de junho de 2007

Prémio- Viva a eutanásia




Tenho que admitir que me tornei um fã deste panasc... ah... indivíduo burr... ah tão sui generis. É impressionante quão grande se torna a estup... ah... tão peculiar.

cerveja para as crianças necessitadas: não é só alcool, é também aroma e qualidade

Toca e a ganhar!

Descobri qual o meu programa de televisão preferido, não há nada com um gajo ter de estudar para aprender a dar valor as coisas estúpidas que passam na TVI. O toca a ganhar é sem duvida o melhor programa que alguma vez se fez, talvez dai o seu horário de destaque.
Aquilo é uma mistura de Olga Cardoso, nos bons tempos da amiga Olga, com um serão de quinta-feira à noite a ver o sexyhot. Isto há uns anos atrás, claro! Quando era moço novo e não fazia mal à vista a imagem tremida! Outros tempos…
O interessante é que a ideia parece funcionar, quem é o publico alvo daqueles programas? A dona de casa que papa todas a novelas!
Parece reduzido, certo?
Então o melhor é meter uma menina que o que tinha na cabeça descaiu até meio do peito para todo o barrasco ficar preso à tv na esperança que ela se dobre para atacar os sapatos.
Brilhante!
A verdade é que ninguém me convence que quando alguns senhores ligam para lá estão a utilizar as duas mãos para segurar o telefone! Não acredito! Existem de certeza uns toques marotos enquanto se espera que ela atenda.
Até acho que é dai que surgiu o nome do programa, toca a ganhar, que de uma forma clara define o que fazer enquanto se ganha!
Algo que me parece obvio. E compreensível.
O único reparo que me apraz fazer sobre o dito “show” é que a Lili ao atender o telefone não devia perguntar o nome, muito menos com aquele tom de voz. Pode ser constrangedor!
Devia ser algo mais sensual…assim tipo: “Olá garanhão, não me podes dar aqui uma mão a resolver este problema?” ou “Olá Bebé, que tens hoje para mim?
Se ela um dia atender o telefone assim eu sou gajo para ligar.
Até lá vou continuar a ver, até porque me parece que ela hoje vem de botas da tropa e se aquilo se desata é coisinha para levar uns bons cinco minutos a atar!

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Politiquices

Esta tarde, observava eu calmamente o debate dos concorrentes para a “Cambra” de Lisboa enquanto cortava delicadamente as unhas do pé esquerdo e as colocava de parte para mais tarde brincar um pouco. Estava já eu a testar a elasticidade e consistência das unhas previamente colhidas quando entra em cena aquele palavreado de político que não interessa a um vendedor de parafusos em segunda mão camaronês. Nessa altura pensei: “olha! Vou pensar numa outra coisa qualquer que nada tenha a ver com politica e ver qual, eu ou os políticos, diz mais espatafurdices!”
É fantástico como ainda não falaram esta semana na Vanessa Fernandes. A verdade é que a mulher é uma verdadeira máquina no triatlo! Aquilo limpa tudo. Mas garanto que talvez corresse mais que ela se ela me aparecesse atrás de mim num ermo escuro e sombrio.
Palavra que me aborrece as pessoas que se queixam de os atletas tomar esteróides para melhorar o seu desempenho. Não é um argumento válido porque, ao longo dos anos, todo o equipamento desportivo usado por atletas tem sido melhorado com recurso à tecnologia. Bolas de futebol, bolas de basquet, pitons de futebol, pranchas de surf, raquetes de ténis, bolas de golf, camisas de jogadores de futebol, calções de jogadores de futebol e, acredito piamente que até já as cuecas deles melhoraram. Sempre que a tecnologia podia encontrar um modo de melhorar o equipamento, fê-lo. Então por que motivo uma pessoa não deverá tratar o corpo da mesma maneira? No contexto do desporto, o corpo não é mais do que uma peça do equipamento. Porque não melhorá-lo com nova tecnologia? Os atletas usam pesos. Porque não usar químicos?
Pensem no grego Filipíades, um corredor profissional que, em 490 A.C, fez uma corrida de quarenta e cinco quilómetros de ida e volta entre Atenas e Esparta para pedir ajuda aos espartanos na luta contra os persas que ameaçavam Atenas ein? Os sacanas… Acham que os seus generais teriam pensado duas vezes se tivessem anfetaminas à mão de semear? «Dou-lhe as anfetaminas ou não? Com as anfetaminas ele fazia a viagem duas vezes mais rápido e assim os espartanos chegavam mais depressa para salvar todos os nossos filósofos panascas e adoradores de miudinhos… Mas não. É melhor não. Pode estar uma brigada no caminho e eles agora inspeccionam essas substâncias na urina… que se lixe Atenas. Não estou para pagar multas.» E já agora uns ténis daqueles xpto para atletistas?
Vejam se crescem puristas! O corpo não é um veículo sagrado. É uma ferramenta.

PS- Acho que ganhei ao debate mas assim muito rés-vés.

segunda-feira, 18 de junho de 2007

Chiquititas

Tudo ia de vento em poupa. O Verão parece que está em fim a chegar com passinhos hesitantes. As roupas diminuem permitindo ver novas formas e horizontes. Os Morangos com Açúcar estão já nas férias de verão o que até não é mau de se ver. Basta desligar o som à tv e observar todas aquelas adolescentes em biquini a correr na praia e deixar crescer os pensamentos libidinosos. A pseudo-horripilante-novela Floribela está nas ruas da amargura. Já ninguém liga à tipa de vinte e tal anos que fala com árvores, acredita em fadas, tem um sotaque de fazer arrepiar e que continua a teimar em vestir-se como uma adolescente que frequenta a Cerci da sua área de residência.
Enfim… julguei eu que a indústria portuguesa de entretenimento televisivo estupidificante para crianças e adolescentes estava a perder terreno. Pensei mal.
Eis que ocorre a resposta da SIC. Dá-se pelo nome de Chiquititas.
Admito que perdi um tempo (quiçá 2 a 3 segundos) a consultar na net acerca do assunto. Fiquei, como é óbvio, horrorizado, chocado, estonteado. A receita vencedora da primeira série da Floribela vai entrar em acção. A diferença é que desta vez todos se vão vestir da mesma forma ridícula. Cores berrantes, músicas assassinas de tímpanos e miudinhas irritantes aos saltos.
Preparem-se meus amigos. Preparem-se para mais shows ao vivo a meio da temporada. Sessões de autógrafos com cachets de 3000 € e edições de cd’s.
Tenho que dizer que ao pé destas fascistas das cores, músicas irritantes e estupidificantes de mentes infantis, vem-me à mente a imagem da Mocidade Portuguesa como uma recordação demasiado distante, saudosista e cheia de nostalgia.

terça-feira, 12 de junho de 2007

Preferências musicais

Hoje enquanto tomava banho decidi ouvir umas remix’s de Jackson’s 5. Até ai tudo bem. Depois decidi ouvir o original. A música chama-se i want you back e é cantada pela voz do ainda (na altura) infantil Michael Jackson. É impressionante a voz de tão franzino rapazito. Depois, levado pela curiosidade e por algum saudosismo decidi procurar no youtube videoclips do Michael. Impressionante como naquele tempo se fazia tão boa musica. Podem dizer o que quiserem mas de certeza que qualquer leitor deste blog gostava das músicas do tipo e abanava muito o capacete ao som delas.

Não me interessa que o tipo andou metido com miúdos ou não. Que se lixem os putos e mais ainda os gananciosos dos pais deles. Ele realmente foi grande. Talvez grande demais para ele próprio. Vejam-no dançar, vejam-no a cativar o público. Impressionante. E admito-vos que não sou grande fã dele.

O Elvis era um branco com sex appeal e bom aspecto que roubava música negra excelente, atenuava-a e tornava-a segura para brancos caretas que não conseguiam lidar com a crueza e o sentimento da música negra a sério. Nunca evoluiu como artista. Sempre se preocupou mais em entreter que crescer. Que se lixe o Elvis.

Frank Sinatra? Grande cantor, um dos melhores. Músico soberbo. Evoluiu enquanto artista. No entanto, nunca conseguiu cativar o público. Era arrogante, mau para as pessoas, mau para a própria família. Que se lixe o Sinatra.

José Cid? Enfim… Muitos grandes êxitos nos anos 80. Música muita dela genial (nunca desprezar alguém que rima amor com favas com chouriço) e outras tão más de bradar ao céu. Uns óculitos RayBan e uma peruca que mais parece que tem ali um gato morto em cima da cabecita. Que se lixe o Zé Cid.

Marco Paulo era um tipo jovem bem parecido para os 80 que usava litros de amaciador e punha as jovens de 40 para cima a suar e ter pensamentos húmidos…. Medo. Enfim. Que se lixe o Marco Paulo.

Tony Carreira é um tipo que até pode cantar bem, arrastar multidões mas quem ouve uma música do tipo já ouviu tudo. Parece que uma tipa lhe arrancou o coração a sangue frio e desde isso que chora baba e ranho. Já devia ter consultado um psicólogo a ver se ultrapassava o trauma. Que se lixe o Tony!

Mas depois aparecem tipos no panorama musical tipo Mikas que eu nem me atrevo a colocar ombro a ombro com estes tipos que são verdadeiros cantores. Parece que entalou a glande no fecho de correr da berguilha e desde esse dia só sabe berrar qualquer coisita com custo e sofrimento.

Mas o que conta é que o Michael era realmente grande. Bate-os aos pontos. Acho até que lhe deviam dar um monte de miúdos e deixá-lo dançar.

segunda-feira, 11 de junho de 2007

A verdadeira artista!


Este é o primeiro desenho que posto aqui neste cantinho da blogosfera enviado por uma amiga. Decorem este nome: Sumo de Limão! É uma artista. Daqui a uns tempos ainda vamos ouvir falar dela!

Perguntas parvas

Uma pessoa vai a coxear, descansada na sua vida e ouve um desconhecido a dizer: -Então ficou mal no pézinho? Ora por acaso não foi na pata, foi no joelho, mas e se eu fosse realmente manca, esta seria uma pergunta/comentário mais do que parvo.
Há uns tempos estava vestida de preto e duas pessoas perguntaram-me o seguinte: - Atão quem é que te morreu? A minha resposta foi: - Ninguém, mas isso é pergunta que se faça?

quarta-feira, 6 de junho de 2007

E se...

...o nosso corpo produzisse anfetaminas fora de prazo em momentos de stress? Acho que os efeitos seriam mais graves que o aquecimento global à Al Gore, mas se calhar mais giros de ver a partir do espaço.
Adoro a palavra ANFETAMINA, não devem existir muitos poemas com esta palavra... Gostava de ver o meu ex-patrão sob o efeito de anfetaminas debaixo de água.
Já vi pessoas com a fominha pós-charro, mas nunca vi ninguém com efeitos pós auto-medicação com anfetaminas, devia experimentar na minha vizinha do lado, oferecer-lhe um bolinho caseiro feito com anfetaminas em pó, em vez de farinha branca-de-neve com fermento para bolos. Aliás devia experimentar nos vizinhos do prédio todo. Parece-me que ía ser a festa de santos populares mais gira de aposentados ex-emigrantes. (3º andar -França, 1º andar -Austrália, rés-do-chão -Suiça).
ANFETAMINA, a próxima vez que apanhar uma pulga no comboio já sei que nome dar-lhe.

terça-feira, 5 de junho de 2007

Elogio Fúnebre ao Milénio

Já não se ouve a palavra “milénio” muita vez, pois não? E é triste. É uma palavra que passa longos períodos de tempo à procura de trabalho sem nunca fazer grande coisa. Então, de mil em mil anos, as coisas começam a agitar-se e há um turbilhão de actividade. De repente, está na boca de toda a gente e é ouvida em todas as conversas. Fica na berra durante vários anos, aproveitando a sua popularidade, vendo-se em jornais e revistas, aparecendo na televisão e na rádio. Até que chega ao pico e, a partir dai, as coisas começam a abrandar. A actividade atenua-se e depressa está outra vez relegada para os livros de história, trabalhos académicos, nomes de bares e obras de referência. Adeus, pobre milénio. Vou ter saudades tuas. Quando voltares, posso já cá não estar para te dar as boas-vindas.

segunda-feira, 4 de junho de 2007

AMI

Porque admiro profundamente o trabalho da AMI, porque admiro quem se dedica inteiramente e porque desejo não ter que decidir entre o mau e o pior.

quinta-feira, 31 de maio de 2007

Carta a um amigo

Meu caro amigo,

Escrevo-te porque perdi a tua morada e não tenho maneira de entrar em contacto contigo. Por isso, o mais provável é que não recebas esta carta. Se assim for, não te sintas obrigado a responder. No entanto, se esta carta te chegar às mãos e te apetecer responder, por favor não te esqueças de indicar a tua morada actual para que saiba para onde devo escrever. A propósito, ignora o remetente no envelope porque me vou mudar na semana que vem e, apesar de ainda não saber a minha morada nova, envio-ta logo que receba noticias tuas.
Se tiveres problemas em encontrar-me, não te preocupes porque vou contactar-te logo que me instalem o telefone e, por isso, podes ligar-me quando te apetecer para me dares o teu número. Se não te conseguir contactar, não hesites em contactar-me porque digo sempre aos meus amigos quando um de nós não consegue entrar em contacto com o outro. Se não conseguires contactar-me, diz-me e eu entro em contacto contigo.
Mas, se não conseguires apanhar-me, talvez não valha a pena insistir porque eu hei-de estar a tentar entrar em contacto contigo. E, claro, se conseguires contactar-me avisa. Da mesma maneira, se eu não te conseguir contactar, serás o primeiro a saber.
Pois é, o dia vai longo e, como dizem por cá: «chegou a hora do adeus». Espero que recebas isto antes de me enviares a tua resposta. É muito bom comunicarmos desta maneira.

Com os melhores cumprimentos,

Um amigo teu

PS- Se esta carta se extraviar, ignora-a.

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Tenho saudades de andar de autocarro...

Andei durante anos nos mesmos percursos, mas acho que devia ser das poucas pessoas que não me aborrecia no autocarro. Acontecia sempre alguma coisa. Há dois acontecimentos que jamais esquecerei.

1º - o dia em que fiquei com a perna entalada na porta do autocarro, que ainda andou uns metros assim. Para quem visse de fora devia ser estranho uma "bota-da-tropa" preta com um pedaço de calças agarradas a um autocarro em movimento. Até que um rapaz gritou "Oh homem abra a porta que tem aqui uma rapariga entalada!" A partir desse momento criei uma secreta admiração por Martim Moniz...

2º - uma noite em que voltava, num autocarro fora-da-lei, por estar demasiado cheio, chovia a potes, o condutor era o Sr. Jerónimo, cabelo branco, magro, óculos de olhar esperto. Não se via nem um dedo para além do vidro da frente e eu sei porque ía esborrachada nele entre o condutor e três ou quatro pessoas. Próximo do antigo cruzamento do Montenegro (agora rotunda aérea) o Sr. Jerónimo estende-me um lencinho de papel branco e diz: "Oh menina faça-me lá o favor de limpar aí o vidro que eu na estou vendo nada!" Eu obedeci, não melhorou muito e fiz o resto da viagem com um lencinho encharcado na mão e a pensar andar a pé é bom, mas isto também é giro!

domingo, 27 de maio de 2007

Mayra Andrade


Há muito tempo que os meus sentidos não se desfaziam desta forma. Há uns dias fiz um pequeno intervalo para lanchar, ligo a televisão, e vejo uma rapariga magrinha com uma viola a preparar-se para cantar. Rebentei por dentro enquanto ela cantou e tocou! Sou suspeita, porque adoro música de Cabo Verde, mas não estava preparada para aquilo. Aquela voz não pertence a uma rapariga, o que vi foi um arquipélago a cantar. Vai estar no dia 2 de Agosto no Sudoeste e no dia 14 de Agosto em Faro, no Teatro Municipal.

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Queima Évora 2007- Desculpem qualquer coisinha.

Caros leitores e colegas deste cantinho da blogosfera, mais uma Queima de Évora começa amanhã. Portanto, peço desde já desculpa por algum texto por mim publicado que seja assim a modos do incongruente, estupidificante, ridiculo ou assim um tanto ou quanto labrego durante os próximos 10 dias que se avizinham.


Para consultarem o cartaz é favor clicar aqui!

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Não resisto...

O Sócrates é cócó!

Pessoal vemo-nos no Tarrafal!

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Onde andas tu meu jovem?


R: Ai sim? Ele que me mande um e-mail!

segunda-feira, 21 de maio de 2007

Sr. Condutor, enfia o autocolante num sitio onde não bate o sol e não, não estou a falar no Alasca

Se há coisa que eu goste é de passear nos parques de estacionamento. Quem não se recorda dos chaços que se costumavam ver no inicio dos anos 90 com grandes águias ou panteras estilizadas no capot ao melhor estilo americano sulista patego?

Há realmente um segmento da população condutora autocolanteira que deviam ser fechados em casas de banho portáteis e incendiados. Estou farto de pessoas que usam os carros para vincular informação pessoal sobre as suas vidas. Se tais informações me interessassem, eu perguntava. Guardem essa trampa para vocês. Estou-me perfeitamente nas tintas para saber qual é a vossa paixão clubistica, que discoteca ou bares frequentam, em quem pretendem votar ou quais os vossos planos para atingir a paz mundial. Estou-me borrifando se visitaram um pais estrangeiro ou se amam a vossa terra natal. E muito menos me interessa saber qual a rádio que gostam de ouvir ou de que bandas gostam. A única coisa que me interessa em vocês é arranjar maneira de vos ver pelo espelho retrovisor.
Além disso, passo bem sem saber a vossa fé em Deus, Alá, Jeová, Javé, Narana Coissoró, Krishna , o Rato Mickey ou quem quer que tenham escolhido gastar tempo, dinheiro, velas ou incenso. Por favor, guardem as vossas superstições para vocês. Não consigo descrever até que ponto ficaria contente e o quanto me riria até largar uma pinguinha ou duas de chichi, caso, um dia, passasse pelos destroços flamejantes de um carro e visse um daqueles autocolantes com um peixe estilizado e com a palavra “Jesus” escrita rodeada de fumo. É engraçadinho demais para o meu gosto.
Agora já sabem: guardem essas informações para vocês. Eu estou-me nas tintas. Porque não colá-las no interior do vosso carro? Assim podem olhar o tempo que quiserem para elas e eu não.

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Pensamentos Dispersos Vol. XXII-O Re-retorno!

Se existe animais de que tenha medo são as galinhas. Nunca entendi para que serve aquela coisa em cima da cabeça dos galos (que são as galinhas machos). Quando tenho um encontro imediato com alguma, nunca me lembro se tenho que me deitar no chão e fazer de morto ou dar-lhe um murro no nariz.

O melhor modo de ensinar os miúdos a nadar é pegar neles e mandá-los para dentro de água, de preferência para uma zona que seja profunda. Caso eles não venham logo para a superfície, estão provavelmente só a tentar ter a nossa atenção.

Porque raio é proibido atropelar cães ou gatos quando se conduz? Não faço ideia onde é que isso está escrito. A Bíblia é demasiado grande para se ler.

«Olá. Chamo-me Rolando Caio da Rocha e tenho diabetes. Dói-me fazer chichi e isso faz-me tratar a minha família mal. Não consigo dormir à noite. No outro dia pisei o próprio pé e usei o cão como bode expiatório. Depois acabou-se-me o gelado de pistaccio e apertei o pescoço à minha mulher. Mas agora descobri que a minha mulher está morta à 5 anos.

A quem raio é que apertei o pescoço?» – Esta mensagem é trazida até você pela Associação Nacional dos Diabéticos

domingo, 13 de maio de 2007

Velas? Caminhadas a pé? Nã! Obrigado.

Hoje é dia 13 de Maio.
Dia do aniversário de Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal.

Acho que lá para os lados de uma pequena freguesia de Ourém, algo também se passa. Vendem-se velinhas e imagens de santos, as pensões e hotéis estão cheios, os restaurantes abarrotam pelas costuras e até se vendem as sandes de courato com uma semana e eu, enquanto refasteladamente deitado no sofá, enrolando um borrié entre o indicador e o mindinho, lá tenho que papar com a procissão das velas nos quatro canais. Palavra que até preferia a “Tertúlia Cor-de-rosa” a isto. Se calhar não. Devo estar a exagerar. É de ver tanta vela.
O que é estranho é muitos indivíduos terem feito a viagem até lá a pé. Isto é um verdadeiro indicador do estado económico do país. Devemos estar mesmo mal de finanças para nem haver dinheiro para um bilhetinho de autocarro. Fátima abarrota com gangs de pinguins mal dispostos e de gangs de padres, frades, freis e outros que tais. Quiçá até lá esteja o professor Bambo e outros conselheiros espirituais.
Não percebo deveras esta gente que se auto-intitula de “conselheiros espirituais”. Essa parte é que me custa ainda mais a engolir. Até mesmo mais do que o Cláudio Ramos seja mesmo pai. Como pode alguém aconselhar o espírito? O espírito não é algo extremamente pessoal e íntimo? Não é, pela sua própria natureza, algo que escapa à definição e, sobretudo, a qualquer análise? Que tipo de conselho é que um papalvo que dedicou toda a vida ao engano da religião e a olhar crianças com pensamentos libidinosos pode dar acerca do espírito? A mim cheira-me a vigarice.

Ode à Primavera

Pólen, abelhas, abelhas, pólen
Pólen, flores, pétalas, raios as partam
Pólen, alegria, sol, muiiiiiita alegria, blharc
Pólen, alegria, alergias ao pólen, atchim
Sol, turistas e pólen
Sol, queimaduras solares, turistas vermelhos-sangue
Sol e pólen e flores e alegriiiiiiaaaa
Ai, ai...

quarta-feira, 9 de maio de 2007

A nossa música...

Há quem ache que romantismo é copiar momentos de filmes românticos e costurá-los em mantas de retalhos. Como na vida não somos acompanhados por música há quem diga: "Estás a ouvir môrzinho é a nossa música".
Mas a verdade é que eu adoraria em certos momentos ser seguida por uma banda ao estilo Kusturica, especialmente depois de dar uma resposta como deve ser. Há uns dias fui falar com um SENHOR CAPITÃO para pedir autorização para usar um espaço, blá,blá,blá e às tantas o homenzinho (e isto é puro veneno porque ele era bem capaz de ter 1,87 m) diz-me: "Sabe eu pedi para falar consigo, porque isto de falar com artistas nunca se sabe o que nos espera, pois são pessoas que vivem no mundo da lua." Eu tenho a certeza que a minha expressão facial dava para congelar o Deserto Saara, mas tive que dizer :"Eu não acho que viva no mundo da lua e nunca faria nada disto sem pedir a devida autorização" A verdade é que saí de lá vencedora, deu-me autorização para fazer tudo e eu senti os saxofones e trompetes atrás de mim, só não comecei a dançar na rua porque isso é esquisito.
Mas se isto tivesse sido num filme e eu não precisasse da autorização dele teria dito: "Isso é tão estúpido como dizer que todos os militares são arrogantes e potenciais assassinos" E aí dançaria nas ruas com um ou dois olhos negros.

terça-feira, 8 de maio de 2007

Porque é aqui!

Porque é aqui que a polícia anda atarefada, porque é aqui que os jornalistas abutram desta vez oiço todos os dias: "Então a menina já apareceu?" Quando foi a Joana, nada loira, também não foi muito longe deste logo aqui, mas é diferente. Sim é diferente e o fim será? Hoje ao ver as imagens das buscas o eu irónico sorriu. Se de facto foi levada pelas costas de um retrato robot inglês não é preciso fugir para o mar, para Espanha, para o Alentejo, para as "encostas de Bensafrim", basta ir para onde vivem os retratos, mesmo que seja logo ali.

quinta-feira, 3 de maio de 2007

A bebedeira não desculpa a ignorância

Num Bar em Lagos, estava eu descansada da minha vida a ouvir música ao vivo e a beber a minha água, quando se senta um bife ao meu lado já bastante desidratado que me diz:
- So were are you from?
- I'm from Lagos.
- Oh, so you are spanish!
- No, I'm portuguese.
- Ok. were do you live?
- Here in lagos.
- So do you like to live in Spain?
- I live in Portugal and I never lived in spain, and I'm portuguese!
- But have you been borned in Faro?
- No.
- So you are spanish.
- No.
- What is your favorite thing here in Spain.
- We are not in Spain.
- Oh ok!

Mas afinal quem é o Tubarão?

Lembro-me de há um certo tempo ser constantemente bombardeado durante os noticiários da TVI por uma estranha pergunta: quem é o tubarão!!?? E eu respondia: e eu com isso? E lá continuava a cortar as unhas dos dedos dos pés. Contudo, passado este tempo, uma pergunta habita na minha mente. Mas quem é o tubarão? Quem afinal era o tubarão ao fim de contas? E aliás, porque razões deram um nome tão idiota a uma personagem? Tubarão? Caso não se lembrem, nas águas da costa continental portuguesa não existem “tubarões comedores de homens” tipo tubarões tigre, Makos ou tubarões brancos. Em contrapartida, há uns catitas cações para fazer sopas, pata-roxas, tintureiras e raias para caldeirada. Como é óbvio, compreendo que tanto o nome cação ou pata-roxa não inspiram medo.

Vocês devem então agora estar a dizer a plenos pulmões: òh Sandes de Choco! Òh energúmeno do camandro?! E que dizes daquele tubarão com cinco metros que apanharam no ano passado em Peniche ein?? Desse não falas tu né seu burgenço?! Pois é… Ainda não tinha falado até agora. É verdade que apanharam sim senhor. Aliás, apanham de vez em quando nas nossas águas um desses. Chama-se tubarão-frade e tal como o tubarão-baleia, alimenta-se de krill e é tão agressivo ou perigoso quanto um sapo com artrite. Mas serve sempre para a TVI passar nos noticiários e para uns quantos Silvas tirarem fotos com a família inteira (mulher, filho, filha avó, cão, gato e periquito) pensando que estão perto de um verdadeiro comedor de homens.

Pescador- Òh faz favore! Tirem uma foto ao lado do peixe aquele do filme do Spielberg! É só 20 euros!
Silva- 20 euros? Então quero duas! Uma é pra enviar prá minha mana que tá na France!
Filho Silva- Òh pai! Mas o tubarão não tem dentes! E cheira male!
Pescador- Não tem dentes porque já tá velho! Tão o bicho era já adulto quando o Spielberg o usou no filme e isso foi nos anos 70. Cheira mal porque tá ai pendurado há uma semana e só me rendeu 400 euros em fotos. Tem que chegar aos 500!
Silva- Ahhhh. Pois. Agora cala-te Vasquinho e ri-te prá foto.

Se existe um predador que tem sucesso em Portugal é o percevejo. Verdade!. Existe um percevejo que vive nas nossas casas e que se alimenta do nosso sangue. É o predador com mais sucesso aos meus olhos. Mas ai está. Quem é o percevejo? A frase também não inspira medo. Talvez inspire um bocadinho de nojo. Mas medo? Está bem longe disso.

terça-feira, 1 de maio de 2007

stress

Transcrição de conversa real, isto é mais ou menos o tipo de coisa que oiço enquanto almoço. Aqui vai:
- Sinte um stress na cabeça, vai do pescoce à testa.
- Oh mulher tu sabes lá o que é ter stress?!
- Atão na sê??? Desde a semana passada que sinte um pese na cabeça, parece que vai rebentar.
- Ai minha nossa senhora e isse é stress?
- Até parece que é na sê o que sinte?
- Pois não, stress é o que o Manel que trabalhou nas finanças tem. Teve de se reformar o ano passade e tude, que anda aí que parece um parvinhe.

sábado, 28 de abril de 2007

Timidez versus Vaidade

Numa conversa sobre a timidez e a vaidade eu disse que a timidez é a vaidade ao extremo, tamanho é o medo de falhar. Pois que medo de falhar é este senão um pensamento inconsciente de superioridade, logo vaidade. Mas depois de ouvir outra opinião fiquei na dúvida. De uma coisa tenho a certeza a timidez é a maior prisão que conheço, e o pior é que é auto-imposta. Impede-nos de dizer as coisas, impede-nos de as dizer alto, impede-nos de gestos, de actos. Impedimo-nos de ser. Parece que se é empurrado para um palco sem saber o texto, sem ponto.
Há uma guerra civil cá dentro, mas nas guerras, especialmente nas civis, ninguém ganha.

segunda-feira, 23 de abril de 2007

Preçários


Aqui temos uma foto tirada por telemóvel na altura da Páscoa aquando da presença de alguns dos elementos dos PFCAD num baile da pinha numa terra que é em tudo singular (basta olhar para a foto para se perceber).

É cada vez mais comum sermos prendados com tais pequenos lapsos, afinal de contas, estávamos na terra que tem eventos marcados no programa das festas de Verão às 24:30 além de inúmeras “Dance Parte’s” e mines,. Mas minis a 60 euros? Colas a 70 euros? Quer dizer, acredito que algum dia possa custar isso, afinal, a inflação existe. Mas não abusemos.


sexta-feira, 20 de abril de 2007

Podes fugir, mas não te podes esconder...

Hoje num supermercado Modelo qualquer deste país duas irmãs tentavam fugir de um encontro imediato de 5º grau com uma pessoa que ambas gostam de evitar ao máximo e que sabiam estar nesse mesmo estabelecimento. A mais experiente usou técnicas avançadíssimas de descontacto e conseguiu, a mais nova (eu) teve que beijar e fazer conversa de cerca de 1 minuto com essa pessoa. Imaginem uma mulher de 80 anos demasiado pintada para qualquer idade, que fala como se tivesse engolido um megafone e que tenta acasalar o filho com qualquer moça casadoira... pode não ser um estraterrestre que vai fazer experiências com o nosso corpo e que depois nos apaga a memória, mas tem a grande desvantagem de não nos apagar a memória. Não se deixem enganar pelos oitenta anos, ela não tem nada ar de avózinha fofinha.

terça-feira, 17 de abril de 2007

Pirataria e Idade

Terça- Feira. Dezanove horas e qualquer coisa. Depois de uma hora de aula de código secante ao ponto de querer roer os meus próprios pulsos, chego a casa. Faço o zapping na t.v. do costume… RTP 1: programa para a 3ª idade com um sujeito que deve ter graves problemas de colesterol… RTP 2: programa acerca de religiões… SIC: mais uma novela brasileira… TVI: Morangos com açúcar com tipas de biquini. Depois de pensar cerca de 1/4 de segundo, retirei o som à televisão e deixei ficar na TVI. Olhei mais duas vezes e algo de pura curiosidade assombrou a minha mente: acerca de quê podem estar a conversar duas adolescentes semi-nuas à beira de uma piscina? Ok. Admito que aumentei o volume. Puro espanto - motivo da conversa: pirataria de música e filmes. Ou seja, download ilegal de coisas dessas da net. Passo o possível diálogo como se a mim fosse dirigido.

Olha lá! Sabias que tal sujeito indivíduo foi preso? Ai sim? Mas foi man!! Pirataria de filmes e dvd’s! CoolÉ que sacar filmes e músicas da Internet é proibido e dá até três anos de cadeia! Ok. É que é proibido! Tá bem. E dá cadeia e tudo! Já ouvi… Três anos! Já seiPor isso já sabes pá!! Não te metas nessas cenas pá! Podes ser preso além de levar os artistas à miséria. Pois… Por causa desses downloads, os D’zrt tiveram que vender um rim cada e o Steven Spielberg não pôde comprar uma nova ilha nas Bermudas, teve que se contentar com uma nas ilhas gregas pá. Ok.

Mas será que estes tipos ganham monetariamente alguma coisa com estes falsos moralismos velhos, ramelosos, vesgos e já coçados do uso? Julgo que sim. Só pode.

Por falar em pirataria, ontem decidi ver um filme com personagens da minha infância-pré-adolescência: TMNT- Teenage Mutant Ninja Turtles- Tartarugas ninjas em português de forma abreviada. Eu lembro-me que via os desenhos animados deles na t.v. e até tinha um boneco de um deles que me foi oferecido não sei por quem mas ao qual quero agora dizer um obrigado. É que na altura a coisa tinha imensa piada. Na altura…

Começo a ver o filme: Tartarugas ninjas!! Ok. Tartarugas ninjas. Se eu não soubesse o que são tartarugas e não soubesse o que são ninjas até caia. Cresceram nos esgotos de New York.. Ok. Se até já lá existem crocodilos albinos e tudo… porque não uma tartaruga mutante que sabe artes marciais? Adoram comer pizza. Pizza até pode ser a base de uma boa alimentação, mesmo que eu fosse uma tartaruga, preferia pizza a camarões desidratados… Ok. Cresceram e foram criadas por uma ratazana chamada Splinter. Epá, se até o Cláudio Ramos já é pai, nada disso me espanta… São quatro adolescentes que passam o tempo a lutar contra o mal. E Pronto… Já abusaram. Quatro Tartarugas Mutantes Adolescentes que passam o tempo a lutar contra o mal?? Adolescentes altruístas? Desculpem mas isso é que já não consigo engolir.

É fantástico como a idade destrói certas magias de outrora.

Rás parta!