domingo, 17 de fevereiro de 2008

Breve fim de um conto de fadas

O gato descalçou as botas lentamente. Não apenas pela melancolia que lhe enchia os olhos mas também pela idade que acusava o seu já pêlo ralo cor cinzento-pimenta. Longe iam os tempos da monarquia e do seu Marquês de Carabás.
Longe iam os tempos em que tornou azul o sangue de um simples filho de moleiro. A monarquia, essa, caíra ainda ele tinha quatro das suas sete vidas. Restava-lhe apenas uma.
O seu Marquês há muito partira. Restavam possíveis descendentes espalhados pelo antigo reino.
Nem o seu bigode apresentava a jovialidade e brilho de antes. Longe iam os tempos em que passava as noites de Janeiro atrás das gatas a miar. Aliás, foi graças a isso que um incauto ou abastado senhorio lhe mandou com duas botas à pinha na tentativa dele desamparar a loja e deixar a sua gata persa de alvo pêlo em paz. Eram essas que ele agora descalçava com alguma dificuldade. Afinal, umas botas de 5 kg sempre enfiadas nos pés não poderiam trazer grandes benefícios físicos para um animal quadrúpede. Algumas hérnias discais, uma ou outra artrose que lhe dificultava o andar. Mas ele gostava das botas. Do espaço para retrair as suas afiadas garras felinas.
Lentamente descalçou as botas.
Lançou-lhes um olhar depois de as encostar a um canto do seu pequeno quarto.
Calçou uns ténis Nike novos que acabara de comprar por túta-e-meia na feira lá do sitio.
Saiu para a rua encaracolando os bigodes trauteando uma melodia há muito esquecida.
Encostou-se lentamente no banco perto da escola para gatinhas de renome.
Entretanto, nessa mesma rua, o sapateiro, com tristeza, colou o papel de “Arrenda-se ou trespassa-se” na oficina onde sempre trabalhou. Fechou a porta, lançou um último olhar à casa e afastou-se a passos pesados.

As botas, essas, ainda hoje ganham pó esquecidas e encostadas à parede.

Resumindo: não tenho futuro na escrita infantil

4 comentários:

Trambolho ao Postigo disse...

Gostei muito!
O futuro é uma coisa parva!
Se tiveres mais alguma coisa deste género mostra, que estou interessada!
Ando a ilustrar um conto, vou começar outro trabalho com uma amiga e daqui a uns tempos vou fazer um filme com o meu grande amigo sharky (projecto começado há 3 anos e interrompido, mas agora é que é). Mas estou sempre à procura de textos novos e bons!!!
E os outros passarinhos que mostrem também as coisas que estão a ganhar mofo nas gavetas.

Sandes de Choco c/mortandela disse...

eu de vez em quando escrevo estas tretas melancólicas e saudosistas mas prefiro mostrar as tretas alegres.

pessoana disse...

Eu chamei aos meus histórias infantis para adultos, também na onda do "assim a modos que coiso".

Vim aqui parar através do Stormy Weather! Uma tempestade, esta blogosfera!

JOE ANT disse...

Há uma coisa em mim. Quando gosto, não deixo de honrar. E, para mim, a melhor honrar é postar no meu blog. No caso foi no >> Por "Tuta e Meia".
Agradeço também à Ana (Pessoana) o ter-me mencionado. Uma "contista" digna e que "releio" diariamente.
Felicidades para todos os contistas, mas que não seja "a preço da uva mijona" e sim por terem porfiado, pois "quem porfia, mata caça".
Bem haja a todos aqueles que "são" meus amigos.