sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Crime. Qual crime?

Uma onda de crime violento ataca Portugal.

Não me ria tanto desde que soube que os Pólo Norte ainda existiam e, como óbvio, voltei a prender o prepúcio no fecho das calças para parar o meu ataque de riso incontrolável.

É este o tema de abertura de qualquer telejornal. Assaltos a multibancos, tiros em esquadras de polícia, assaltos com C4 a carrinhas de transportes de valores… Até que enfim que os portugueses pequenos (segundo as estatísticas, a média de altura nacional é 1,70 m… Eu de cima dos meus 1,80 olho de soslaio para um pais inteiro…) se lembraram de fazer algo que os nossos políticos fazem há N tempo.

Ainda me recordo uma vez de ter que pagar uma multa na universidade de não sei quantos euros e desejar que ao menos a secretária dos SAC ao menos me apontasse uma faca, uma pistola… qualquer coisa nem que fosse um corta-unhas ou um piaçaba sujo. Se sou assaltado, ao menos que me ponham a vida em risco, o bom estado das unhas ou o cheiro e a limpeza da minha indumentária na ocasião do acto.

PS- a partir de dia 16 deste mês vou ter novamente net (isto segundo a senhora da MEO) e por isso escrever mais vezes no meu poiso fora do ninho.

2 comentários:

Trambolho ao Postigo disse...

Há uns meses nas finanças paguei 12€ por um papel que dizia que não tenho nada e não devo nada ao estado, isto para receber o pagamento de um trabalho que fiz. Preferia de facto que me tivessem apontado um piaçaba de casa-de-banho pública. O assalto seria menos mafioso.

AníbalCS disse...

dizem por aí: "Quem rouba a ladrão tem 100 anos de perdão" é por isso que ninguém é preso!

Qualquer contribuinte deste país deve estar "em pulgas" para assaltar bancos, gasolineiras, agencias viagens, rept. finanças, ... cheguem-se a frente tirem a senha e metam-se na fila que chega para todos.