segunda-feira, 16 de março de 2009

Personae Dramaticae

A princesa independente, cheia de auto-estima e euros observava atenta para a zona envolvente do seu castelo. Acercou-se do lago para ver se as recentes obras realizadas estavam de acordo com as normas ecológicas estipuladas. Junto à margem, calma e paulatinamente, sentou-se debaixo de um chorão . Uma rã saltou-lhe para o colo.
«Olá linda princesa. Sou um príncipe enfeitiçado e se me concederes um beijo, o encantamento é desfeito e volto à minha forma humana. Assim, podemo-nos casar, viver no teu castelo, ter um montão de putos loiros ranhosos e um cão. Tu tratas da casa, limpas, cozinhas, assoas os putos e eu caço, pesco e bebo tinto de Pegões. Até podemos convidar a minha mãe para vir morar connosco».
Nessa noite, a princesa ceou umas perninhas de rã sautées com um excepcional vinho branco seco.

2 comentários:

Trambolho ao Postigo disse...

Vive la cousine française, vive la liberté, vive la repúblique!!!

efe disse...

De uma princesa princesa à antiga, que gosta de sapos em vez de rãs, não era de esperar outra coisa.

;D