sexta-feira, 13 de abril de 2007

Não tá ninguém em casa!!! Já disse…

Todos nós já tivemos uma vizinha cusca, alcoviteira e metediça. Mas para mim a pior espécie de intrometidos que alguma vez conheci são as testemunhas de Jeová.
Os gajos não recebem ninguém nas suas próprias casas, e tratam-se por irmãos. Mas quando vão bater as nossas portas temos de os deixar entrar. Sim, se eu não receber o meu irmão em casa vou sonhar com cabidela, com santinhos e bolos de aniversário…
Esta gente que não deve ter mais nada para fazer juntam-se em grupos, e qual gang ou arrastão, toca de bater as portas a ver se alguém os deixa entrar. Eles não vão lá vender a sentinela ou algo que se pareça, eles vão as casas para cuscar, para saber da vida das pessoas…acho que nem eles acreditam naquilo, a própria sentinela deve ser uma espécie de, Lux, caras ou mulher moderna! Com fotos com histórias a escarafunchar a vida dos outros!
Epá, os gajos conhecem-se, sabem todos quem são, mas porque raio continuam a bater à porta! Se eu os mandei passear uma vez vou agora deixar entrar? Isto é como o Clube de Futebol, um gajo é do Benfica e não vai ser por todos os dias um lagarto lhe bater à porta que se vai mudar…e isto é igual!
Eu até sou um gajo respeitador, a sério que sou! Mas as religiões são clubes, cada um tem o seu e acredita que é o melhor do mundo! Por isso respeito todos, só acho é que devia haver um campeonato qualquer para um gajo tirar a duvida, assim de quatro em quatro anos!
Porque sem isso, todos vão sempre pensar que são do maior, mas na verdade não há nada que o prove… e um campeonato sempre tinha a vantagem que os Jeovás podiam descer de Divisão e ir pregar para outra freguesia!
Cada um acredite no que quiser, se quiser até pode venerar o Rei Leão, mas não me venham cá chatear a cabeça.
Eu fico com minha…e já disse que não quero a porra da revista!



p.h.

2 comentários:

luali disse...

maii nada!! :)

Dayse disse...

pelo visto você não conhece as testemunhas de jeová, provavelmente nem mesmo os recebeu em sua casa, falar mal de algo que não se conhece soa bem estúpido e desarrazoado.