quarta-feira, 28 de maio de 2008

Fixação Oral

Sou um fascinado pelo herpes. Gosto de ver as pessoas com aquilo nos lábios e ao mesmo tempo envergonhadas por terem uma crosta de meio metro agarrada à beiçola. São das coisas mais fascinantes que existe em todo o universo oral. Isso e aquela crosta que se forma também ela nos lábios dos velhotes e até em nós quando dormimos. Uma película pegajosa, um tipo de mistela que se vai acumulando e, quando seca, se transforma numa crosta estaladiça? Mais grossa nos cantos e aligeirando-se à medida que se aproxima do centro dos lábios? E que acaba por dar a estes um aspecto de um parêntesis? Já tiveram isso? Crosta labial?
Aqui está uma forma de se livrarem dela de uma forma rápida, simples, indolor e requer uma única ferramenta: a unha do polegar. É só disso que precisam. Da bela da unhaca. Raspem, raspem, raspem. Se alguém olhar, continuem a raspar. Não há nada mais natural que essas coisas. Essas mistelas excretadas pelo nosso maravilhoso corpo. Continuem a raspar até sair mesmo tudo. Depois, peguem nela, façam uma bolinha e guardem-na. É o que eu faço. Tenho a “aficción” pela crosta labial.

2 comentários:

dusty disse...

Fascina-me ainda mais o 'sarro' que fica nos lábios depois de uns quantos copos de tinto. Se fôr 'do bom' então, uiuia. Só com escova de dentes e muita determinação.

efe disse...

"ai senhores, aquele cigano era tão porco tão porco que até tinha entre os dedos das mãos aquilo que a gente tem entre os dedos dos pés!"