segunda-feira, 14 de abril de 2008

Noções de Romantismo, um tratado primaveril do estado de parvo de um apaixonado

A minha noção de romantismo é a seguinte:
1. Gostar sem querer mudar a/o companheira/o
2. Passados 10 anos não odiá-la/o
3. Passados 20 anos, continuando ou não a partilhar a mesma casa, ainda falar com a/o outra/o
4. Que durante o tempo todo as pessoas ainda tenham a capacidade de rir e fazer rir a/o outra/o
Não me venham com jantares à luz de velas (até porque da última vez que fui a um restaurante com velas o meu cabelo pegou fogo, até foi engraçado, porque a culpa foi de uma senhora que estava a dançar danças tradicionais e que me puxou para a pista, tenho tanto cabelo que nem se nota nada, o chato mesmo foi o cheiro a matança de porco), flores, festas de casamento insólitas. Talvez seja demasiado cínica nestas coisas do amor, mas não tenho paciência para adereços no que diz respeito às emoções, ainda mais as íntimas.

1 comentário:

Trambolho ao Postigo disse...

Em continuidade ao post da senhora dona passarinha aqui fica a minha contribuição primaveril.