segunda-feira, 7 de abril de 2008

Rodízio


Os restaurantes tipo Rodízio brasileiro são fascinantes. A ideia é comer até rebentar, mas não literalmente. Acho que as pessoas se esquecem, talvez porque estão a empanturrar-se de carne ou porque a música ao vivo "gosto muito di você leãozinho" faz com que parte do seu cérebro adormeça, que estão a correr um grande risco. Nunca, mas NUNCA num restaurante destes se poderá pedir o livro de reclamações e exigir a presença do proprietário. Vocês já viram os facalhões que os funcionários têm para cortar fatias fininhas de carne mal passada? Se os empregados têm facas daquele tamanho, imaginem a do patrão. Ontem fui pela segunda vez a um rodízio e tenho a dizer que o músico tinha uma excelente voz e as versões que apresentou eram ótpimas, mas posso acrescentar, e porque as facas estão a vários quilómetros de distância, que fora as entradas a comida era uma porcaria, o serviço mal-disposto e a banana não estava frita estava a nadar em óleo. Na verdade não gosto de restaurantes enormes, nem de carne mal passada e acho um desperdício uma voz daquelas apagar-se entre o som dos talheres e vozes altas. E agora a cereja: a minha irmã está com uma gastroentrite, mas já vesti a minha capa e peguei na minha catana e vou fazer-lhes a barba pelo recto!

2 comentários:

dusty disse...

Muito dramática esta rapariga.

Trambolho ao Postigo disse...

EU DRAMÁTICA!!!!!! Oh como este mundo é julgador das pobres almas em sofrimento! Oh que adoeço a alma e o sangue que corre nas minhas mui reais veias só de pensar no quão cruel pode ser a multidão em fúria que se atropela nos corredores da injustiça. Ai valham-me as glórias do passado, para que não se abata sobre mim a tristeza! Ai que morro sem conhecer o meu irmão siamês!

Dramática???